Texto
Texto, uma editora do grupo LeYa leYa

Dinheiro: ensine os seus filhos a lidar com ele

Ninguém (excepto o Tio Patinhas que, como sabemos, não é real) nasce a saber qual o valor do dinheiro. Para adquirirem esta competência, as crianças aprendem com o exemplo dos adultos (sobretudo o dos pais e familiares próximos) e com a sua própria experiência.


Deixe que as crianças usem o dinheiro

Colocar pequenas quantias - para não haver grandes prejuízos - nas mãos de crianças pequenas não é uma tolice. A ideia é, com tempo, fazê-las compreender que o dinheiro pode ser trocado por "coisas". Embora as crianças comecem por encarar as moedas apenas como algo com valor, gradualmente, elas acabam por aprender a ver (e utilizar) o dinheiro como um meio para atingir determinado fim.

Não há duas crianças que comecem por utilizar o dinheiro exactamente da mesma forma. Mas isso não é relevante, pois o seu objectivo é que a criança aprenda a usar o dinheiro com sensatez, que aprenda a comparar o valor relativo dos bens e a fazer escolhas inteligentes.

Resista à tentação de comparar as capacidades de diferentes crianças lidarem com esta questão; ainda que tenham a mesma idade, o grau de maturidade, a atitude, o interesse demonstrado e a capacidade de adquirir novas competências variam de criança para criança. A maior parte dos pais espera que as crianças cometam erros quando lidam com dinheiro. Evite ser demasiado crítico(a) e seja paciente; afinal elas estão a aprender... Quando elas se enganam, tente que percebam qual foi o erro cometido e, assim, evitar que o repitam no futuro.


As crianças devem observá-lo(a) quando lida com dinheiro

Os seus filhos aprenderão a lidar com o dinheiro ao vê-lo(a) utilizá-lo no dia-a-dia, quer enquanto faz compras no supermercado, quer quando vai ao mecânico, quer quando vai ao cabeleireiro ou até quando contribui para um peditório.

Após os seus filhos terem visto o dinheiro a ser utilizado de várias formas, em vários contextos, converse com eles sobre essas diferentes utilizações. Explique-lhes que, antes de comprar determinado produto ou serviço, costuma comparar preços e só depois toma a decisão de aquisição. Não se esqueça que as crianças são muito observadoras e que você é a sua referência fundamental.


Explique às crianças como funciona a "economia familiar"

As crianças percebem facilmente que o dinheiro de que a família dispõe resulta de uma troca: a troca do tempo e do trabalho dos adultos por uma determinada quantia. E que essa quantia é depois trocada por bens e serviços de que os elementos da família necessitam.
É importante que as crianças compreendam que a quantidade de dinheiro que a família tem à sua disposição é finita e que essa quantia deve ser bem gerida. Há que levar a criança a compreender que, logo à partida, uma parte desse dinheiro é destinada à aquisição de comida, ao pagamento da habitação onde a família vive, ao pagamentos de despesas ligadas à educação e à saúde, à aquisição de artigos de vestuário, entre outros. Fica ao seu critério decidir se vai incluir nesta explicação a questão dos impostos e de como estes constituem uma forma de todos contribuirem para o bem comum.

É desejável que as crianças compreendam que estas despesas "fixas" são uma prioridade no que toca à aplicação do dinheiro ganho, pois elas constituem a base para o bem-estar de todos os elementos da família.
A partir daqui pode também explicar como é importante cuidar bem (não estragar) os bens comuns a toda a família, não só por uma questão de respeito mas também porque danificá-los e repará-los/substutuí-los representa uma despesa para todos.

Tente fazê-los compreender que algumas tarefas "chatas", como lavar o carro, coser um botão numa camisa ou arrumar a casa são uma forma de a famíla poupar dinheiro que pode ser utilizado de outras formas e usufruido por todos. Assim, as crianças compreenderão que ao "preferir" lavar o carro em vez de brincar com elas (mas não sistematicamente, brincar é importante), não está a afastar-se mas sim a trabalhar para o bem comum.