Texto
Texto, uma editora do grupo LeYa leYa

Bibliografia

Bibliografia geral

  • ALONSO, L., H. PERALTA e V. ALOIZ (2001). Parecer sobre o projecto de Gestão Flexível do Currículo.

  • CARDOSO, C. (coord.) (1998). Gestão intercultural do currículo – 1.º Ciclo. Lisboa: Secretariado Coordenador dos Programas de Educação Multicultural.

  • DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (2000). "O currículo", número temático da Revista de Educação, IX.

  • DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (1998). Educação, integração, cidadania. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (1998). Organização curricular e programas: 1.º ciclo do ensino básico (2.ª ed.). Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (1998). Gestão flexível do currículo. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (2001). Gestão curricular no 1.º ciclo. Monodocência-coadjuvação. Actas do "Encontro de Reflexão", Viseu, 11-12 Dezembro, 2000. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (2001). Reorganização curricular do ensino básico. Princípios, medidas e implicações. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (2001). Gestão flexível do currículo. As escolas partilham experiências. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • DIRECCÇÃO-GERAL DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (1991). Organização curricular e programas: Ensino Básico - 2.º ciclo (vol. I). Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • DIRECCÇÃO-GERAL DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (1991). Organização curricular e programas: Ensino Básico - 3.º ciclo (vol. I). Lisboa: Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • FOSNOT, C. (1999). Construtivismo e educação. Lisboa: Instituto Piaget.

  • FREITAS, C. M. V. de (1998). "Inovação curricular: O desafio que espera uma resposta". In J. A. PACHECO, J. M. PARASKEVA e A. M. SILVA (orgs.) Reflexão e inovação curricular. Actas do III Colóquio sobre Questões Curriculares. Braga: Universidade do Minho, 13-31.

  • FREITAS, C. M. V. de et al (2001). Gestão flexível do currículo. Contributos para uma reflexão crítica. Lisboa: Texto Editora.

  • GOODMAN, N. (1995). Modos de fazer mundos. Porto: Edições Asa.

  • INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EDUCATIVA (2001). "O currículo", número temático da revista NOESIS.

  • LE BOTERF, G. (1995). De la compétence: Essai sur un attracteur étrange. Paris: Les Éditions de l’Organization.

  • LE BOTERF, G (1997). De la compétence à la navigation professionnelle. Paris: Les Éditions de l’Organization.

  • PACHECO, J. (1996). Currículo: Teoria e praxis. Porto: Porto Editora.

  • PERRENOUD, P. (1997). Construire des compétences dès l’école. Paris: ESF.

  • PERRENOUD, P. (1997). Pédagogie differenciée: Des intentions à l’action. Paris: ESF.

  • PERRENOUD, P. (1999). "Construir competências é virar as costas aos saberes?" Pátio. Revista Pedagógica, 11, 15-19.

  • ROLDÃO, M.C. (1995). O director de turma e a gestão curricular. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

  • ROLDÃO, M.C. (1999). Gestão curricular – Fundamentos e práticas. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • SACRISTÁN, G. (1994). El curriculum: Una reflexión sobre la práctica. Madrid: Morata.

  • ZABALZA, M. (1992). Planificação e desenvolvimento curricular. Porto: Edições ASA.



Língua Portuguesa

  • AA (2001). Terminologia linguística para os Ensinos Básico e Secundário. Lisboa: DES/DEB/APP.

  • CUNHA, C. e L. CINTRA (1984). Nova gramática do português contemporâneo. Lisboa: Edições João Sá da Costa.

  • DUARTE, I. (1998). "Algumas boas razões para ensinar gramática". In A língua mãe e a paixão de aprender. Actas. Porto: Areal, 110-123.

  • DUARTE, I. (2000). Língua portuguesa. Instrumentos de análise. Lisboa: Universidade Aberta.

  • FARIA, I., E. PEDRO, I. DUARTE e C. GOUVEIA (1996). Introdução à linguística geral e portuguesa. Lisboa: Caminho.

  • MATA, A. I. (1992). "É só ouvir ... em Português". In DELGADO-MARTINS et al. Para a didáctica do português. Seis estudos de linguística. Lisboa: Colibri, 45-74.

  • MORAIS, J. (1997). A arte de ler. Lisboa: D. Quixote.

  • PEREIRA, L. A. (2000). Escrever em português. Didácticas e práticas. Porto: ASA.

  • SIM-SIM, I. (1997). Avaliação da linguagem oral. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

  • SIM-SIM, I. (1998). Desenvolvimento da linguagem. Lisboa: Universidade Aberta.

  • SIM-SIM, I., I. DUARTE e M. J. FERRAZ (1997). A língua materna na Educação Básica. Lisboa: Departamento da Educação Básica.



Línguas Estrangeiras

  • COUNCIL OF EUROPE (1998). Modern languages: Learning, teaching, assessment. A common European framework of reference. Strasbourg: Council of Europe.

  • CONSEIL DE L´ EUROPE/LES EDITIONS DIDIER (2001). Cadre européen commun de référence pour les langues: Apprendre, enseigner, évaluer. Paris: Conseil de l’Europe.


Matemática

  • ABRANTES, P. (1994). O trabalho de projecto e a relação dos alunos com a Matemática (tese de doutoramento). Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

  • ABRANTES, P., L. SERRAZINA e I. OLIVEIRA (1999). A Matemática na Educação Básica. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • ABRANTES, P., L. C. LEAL e J. P. PONTE (orgs.) (1996). Investigar para aprender Matemática. Lisboa: Projecto Matemática para Todos e Associação de Professores de Matemática.

  • ABRANTES, P., J. P. da PONTE, H. FONSECA e L. BRUNHEIRA (1999). Investigações matemáticas na aula e no currículo. Lisboa: Projecto Matemática para Todos e Associação de Professores de Matemática.

  • ABRANTES, P., L.. C. LEAL, P. TEIXEIRA e. E. VELOSO (1997). MAT789 – Inovação curricular em Matemática. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

  • ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA (1988). Renovação do currículo de Matemática. Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

  • ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA (1999). "O currículo", número temático de Educação e Matemática, 55.

  • GOLDENBERG, E. P. (1998). "Hábitos de pensamento: Um princípio organizador para o currículo" (I). Educação e Matemática, 47, 31-35 e 44.

  • GOLDENBERG, E. P. (1998). "Hábitos de pensamento: Um princípio organizador para o currículo" (II). Educação e Matemática, 48, 37-44.

  • MATOS, J. M. e L. SERRAZINA (1996). Didáctica da Matemática. Lisboa: Universidade Aberta.

  • NATIONAL COUNCIL OF TEACHERS OF MATHEMATICS (1991). Normas para o currículo e a avaliação em matemática escolar. Lisboa: Associação de Professores de Matemática e Instituto de Inovação Educacional. (tradução portuguesa de Curriculum and evaluation standards for school mathematics, 1989).

  • NATIONAL COUNCIL OF TEACHERS OF MATHEMATICS (1994). Normas profissionais para o ensino da Matemática. Lisboa: Associação de Professores de Matemática e Instituto de Inovação Educacional. (tradução portuguesa de Professional Standards for teaching mathematics, 1991.

  • NATIONAL COUNCIL OF TEACHERS OF MATHEMATICS (1998). Normas para a avaliação em matemática escolar. Lisboa: Associação de Professores de Matemática e Instituto de Inovação Educacional. (tradução portuguesa de Assessment standards for school mathematics, 1995).

  • PONTE, J. P. e L. SERRAZINA (2000). Didáctica da Matemática do 1.º Ciclo. Lisboa: Universidade Aberta.



Estudo do Meio

  • BETTENCOURT, C. e P. MATA (1998). Mais cientistas de palmo e meio: Partilha de uma experiência. Lisboa: Programa Educação para Todos.

  • CASTRO, L. e M. RICARDO (1992). Gerir o trabalho de projecto: Um manual para professores e formadores. Lisboa: Texto Editora.

  • CAVACO, M. H. (1995). Investigar para aprender: Trabalho de campo. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • MARTINS, I. e M. L. VEIGA (1999). Uma análise do currículo da escolaridade básica na perspectiva da educação em ciências. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

  • MIGUÉNS, M., et al. (1997). Dimensões formativas de disciplinas do ensino básico: Ciências da Natureza. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

  • MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA (1998). 2.º Forum Ciência Viva. Lisboa: Autor.

  • ROLDÃO, M. C. (1995). O estudo do meio no 1.º ciclo: Fundamentos e estratégias. Lisboa: Texto Editora. SÁ, J. (1995). Renovar práticas no 1.º ciclo pela via das ciências da natureza. Porto: Porto Editora.

  • http://www.uev.met.pt/

  • http://www.inrp.fr/lamap



História

  • ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTÓRIA (1995-). Cadernos pedagógico-didácticos;

  • BARCA, I. (1998). O Estudo da História. Actas do Congresso: O Ensino da História – problemas de didáctica e do saber histórico". Lisboa: Associação de Professores de História.

  • BARCA, I. (2000). O pensamento histórico dos jovens. Braga: CEEP, Universidade do Minho.

  • BLACK, M. L. (1997). Reflexões sobre os currículos de História na União Europeia. Lisboa: Associação de Professores de História.

  • DIRECÇÃO-GERAL DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO (1991). Programa História e Geografia de Portugal. Plano de organização do processo de ensino-aprendizagem: Ensino Básico – 2.º ciclo (vol. II). Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • DIRECÇÃO-GERAL DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO (1991). Programa História. Plano de organização do processo de ensino-aprendizagem: Ensino Básico – 3.º ciclo (vol. II). Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • FÉLIX, N. (1998). A História na Educação Básica. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • LEVSTIK, L. e K. BARTON (2001). Doing History: Investigating with children in elementary and middle schools. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

  • MATTOZI, I. (1998). "A História ensinada: Educação cívica, educação social ou formação cognitiva?". O Estudo da História. Actas do Congresso: "O Ensino da História – problemas de didáctica e do saber histórico". Lisboa: Associação de Professores de História .

  • PORTAL, C. (1987). The History curriculum for teachers. London: The Palmer Press.

  • STEARNS, P., P. SEIXAS e S. WINEBURG (2001). Knowing, teaching and learning History. Nova Iorque: New York University Press.



Geografia

  • BAILEY, P. e P. FOX (1997). Geography teacher’s handbook, Sheffield: The Geographical Association.

  • DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (2001). Geografia. Orientações curriculares, 3.º ciclo. Lisboa: Departamento da Educação Básica.

  • DIRECÇÃO-GERAL DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (1991). Programa de História e Geografia de Portugal. Plano de organização do ensino-aprendizagem. Vol. II. Ensino Básico, 2.º ciclo. Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • FERREIRA, C. (2000). "As finalidades da educação geográfica no Ensino Básico". GeoINova, n.º 1, Lisboa.

  • GLENNIS, C. (2000). "Cwricwlwm Cymru 2000". Teaching Geography, 25,1, January.

  • GRAVES, N. (1984). Geography in education. London: Heinemann Educational Books.

  • HOPKIN, J. (2000). "Assessment for learning in Geography". Teaching Geography, 25,1, January.

  • NEW RELEVANCE FOR SCIENCE AND SOCIETY (1997). Rediscovering Geography. Washington, D.C.: National Academy Press.

  • OCDE (1999). Mesurer les connaissances et compétences des élèves. Paris: Autor.

  • UNIÃO GEOGRÁFICA INTERNACIONAL (UGI)/Comissão da Educação Geográfica (1992). Carta Internacional da Educação Geográfica. Lisboa: Associação de Professores de Geografia. (tradução portuguesa de Manuela Malheiro Dias Ferreira).

  • http://members.aol.combowermanb/games-html

  • www.quia.com/pages/all.htmlgeographicGames



Ciências Físicas e Naturais

  • AIKENHEAD, G. (1998). Processes of science.

  • http://www.usask.ca/education/people/aikenhead/procsci.htm (28 Junho 2001).

  • CANAVARRO, J, M. (1998). Ciência e sociedade. Coimbra: Quarteto.

  • DIRECÇÃO-GERAL DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (1991). Ensino Básico, 2.º ciclo – Programa Ciências da Natureza. Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • DIRECÇÃO-GERAL DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (1991). Ensino Básico, 3.º ciclo – Programa de Ciências Naturais.Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • DIRECÇÃO-GERAL DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (1993). Ensino Básico, 3.º ciclo – Programa de Ciências Físico-Químicas. Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • FELDMAN, H. D. (1994). Beyond universal in cognitive development. New Jersey: Ablex Publishing Corporation.

  • FOUREZ, G. (1994). Alphabétisation scientifique et technique – Essai sur les finalités de l’enseignement des sciences. Bruxelles: De Boeck-Wesmael.

  • GRÄBER, W e P. NENTWIG (1999). Scientific literacy: Bridging the gap between theory and practice. Comunicação apresentada na ATEE Spring University in Klaipëda/Lituânia, 6 de Maio de 1999.

  • HODSON, D. (1998). Teaching and learning science – Towards a personalized approach. Buckingham: Open University.

  • MARTINS I. P. e M. L. VEIGA (1999). Uma análise do currículo da escolaridade básica na perspectiva da educação em ciências. Lisboa: Instituto de Investigação Educacional.

  • MILLAR, R. e J. OSBORNE (1999). Beyond 2000 – A report with ten recommendations. London: Kings’ College, School of Education.

  • NATIONAL SCIENCE TEACHERS ASSOCIATION (1992). Scope, sequence and coordination of secondary school science – vol. I. Washington, DC: National Science Teachers Association.

  • NATIONAL SCIENCE TEACHERS ASSOCIATION (1992). Scope, sequence and coordination of secondary school science – vol. II: Research. Washington, DC: National Science Teachers Association.

  • SASKATCHEWAN (Canada). Science – A curriculum guide for elementary school (1990).

  • http://www.sasked.gov.sk.ca/docs/elemsci/elemtsci.htm (28 Junho 2001).

  • SASKATCHEWAN (Canada). Science – A curriculum guide for middle level (1993)

  • http://www.sasked.gov.sk.ca/docs/midlsci/midlsci.html (28 Junho 2001).

  • SOLOMON, J. e G. AIKENHEAD (1994). STS Education – International perspectives on reform. New York, NY and London: Teachers College.

  • TREFIL, J. e R. HAZEN (1998). The Sciences, an integrated approach. New York, NY: John Wiley.

  • WENHAM, M. (1995). Understanding primary science: Ideas, concepts and explanations. London: Paul Chapman.


Educação Artística

  • ARNHEIM, R. (1993). Consideraciones sobre la educación artística . 1ª Ed. Barcelona: Ediciones Paidós.

  • BOURDIEU, P. (1994). O poder simbólico. Lisboa: Editora Difel, Col. Memória e Sociedade.

  • CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (1999). Parecer n.º 2 / 99, Educação estética, ensino artístico e sua relevância na educação e na interiorização dos saberes. Diário da República - II série, de 3 de Fevereiro de1999.

  • CHOEN, Elaine; GAINER, Ruth (1984) Art, another language for leaming. New York: Ed. Schoken Books.

  • DEWEY, John (1958) Art as experience. New York: Capricorn Books.

  • GARDNER, H. (1983) Frames of mind. The theory of multiple inteligences. New York: Basic Books, Inc. Publishers.

  • GARDNER, H. (1997) As artes e o desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artes Médicas.

  • GRUPO DE CONTACTO ENTRE OS MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA (2000). A Educação Artística e a Promoção das Artes, na Perspectiva das Políticas Públicas - Relatório do Grupo de Contacto entre os Ministérios da Educação e da Cultura. Lisboa: Ministério da Educação, Colecção Educação para o Futuro.

  • MARINA, J. A. (1994) Teoria de Ia inteligencia creadora. 3ª Ed. Barcelona: Ed. Anagrama.

  • MINISTRY OF EDUCATION (1999). The arts in the New Zealand curriculum. Draft.

  • http://www.tki.org.nz/r/arts/curriculum/statement/contents_e.php.

  • MINISTRY OF EDUCATION AND TRAINING (1998). The Ontario curriculum, Grades 1-8: The Arts.

  • http://www.edu.gov.on.ca/eng/document/curricul/arts/arts.html.

  • ROSS, M. (1981) The aesthetic imperative. London: Pergamon Press.




Educação Visual

  • AAVV (1995). História da Arte Portuguesa. Paulo Pereira (coord.). Lisboa: Circulo dos Leitores.

  • ARNEIM, R. (1993). Consideraciones sobre la educacíon artística. Barcelona: Paidós Estética.

  • BARBOSA, A. (1997). Arte-Educação: Leitura no subsolo. São Paulo: Cortez Editora.

  • BARRETT, M. (1982). Educação em arte. Lisboa: Ed. Presença.

  • BARRY, A-M.S. (1997). Visual Intelligence – Perception, image and manipulation in visual comunication; Nova Iorque, New York Press University.

  • BERGER, R. (1958). Découverte de la peinture. Lausanne: La Guide du Livre et Editions des Fauconnières.

  • BEST, D. (1996). A racionalidade do sentimento. O papel das artes na educação. Porto: Edições ASA.

  • BOSCH, E. (1998). El placer de mirar. El museo del visitante. Barcelona: Actar.

  • GOLOMB, C. (1992). The child’s creation of a pictural world. Oxford: University of California Press.

  • ECO, U. (1981). A definição da arte. São Paulo: Martins Fontes.

  • EFLAND, A. (1995). A history of art education. Intellectual and social currents in teaching the visual arts. New York: Teachers College, Columbia University.

  • EISNER, R. (1972). Educar la visíon artística. Madrid: Paídos Educador.

  • FELDMAN, E.B. (1987). Varieties of visual experience. New York: Harry N. Abrams, Inc. Publishers.

  • FRANÇA, J-A. (1974). A arte em Portugal no século XX. Lisboa: Livraria Bertrand.

  • FROIS, J. P. et al. (2000). Educação estética e artística. Abordagens transdisciplinares. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

  • GÂNDARA, I. (1987). Desenho infantil. Um estudo sobre níveis do símbolo. Lisboa:Texto Editora.

  • GARDNER, H. (1993). Arte, mente y cérebro. Una aproximación cognitiva a la creatividad. Barcelona: Paídos.

  • GONÇALVES, R. M. (1998). A arte portuguesa no século XX. Lisboa: Círculo de Leitores.

  • HOOPER-GREENHILL, E. (1995). Museum, media, message. London: Routledge.

  • HUYGHE, R. (1965). Os poderes da imagem: Balanço de uma psicologia da arte. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

  • LAMBERT, S. (1985). El dibujo técnica y utilidad. Madrid: Ed. Hermann Blume.

  • MARTY, G. (1999). Psicología del arte. Madrid: Pirámide.

  • MAYER; R. (1993). Materiales y técnicas del arte. Madrid: Hermann Blume Ediciones.

  • MIDGLEY, B. (1993). Guia completa de escultura, modelado y cerâmica, técnicas y materiales. Madrid: Hermann Blume Ediciones.

  • MOLES, A. A. (1975). O kitsch: A arte da felicidade. São Paulo: Perspectiva.

  • MUNARI, B. (1993). Das coisas nascem coisas. Lisboa: Edições 70.

  • NADAL, E., J. XAVIER (1998). "Educação estética, Ensino artístico e sua relevância na educação e na interiorização de saberes".

  • Pareceres e Recomendações – 1998. Lisboa: Conselho Nacional de Educação.

  • OREY, C. (1999). A exemplificação na arte. Um estudo sobre Nelson Goodman. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian-Fundação para a Ciência e Tecnologia.

  • PARSONS, M. (1992). Compreender a arte. Lisboa: Editorial Presença.

  • PONTY, M. (1997). O olho e o espírito. Lisboa: Veja.

  • SABINO, I. (2000). Pintura depois da pintura. Lisboa: Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

  • SENA, A. (1998). História da imagem fotográfica em Portugal 1839 a 1997. Porto: Porto Editora.

  • SOURIAU, E. (1990). Vocabulaire d’esthétique. Paris: PUF.

  • SOUSA, R. (1995). Didáctica da Educação Visual. Lisboa: Universidade Aberta.

  • TELMO, I. C. ( 1989). O património e a escola. Lisboa: Texto Editora.



Música

  • ALMEIDA, J. L. R. (1998). Um olhar musical pelos resíduos. Lisboa: Instituto dos Resíduos.

  • ALMEIDA, L. P. e J. P. ALMEIDA (dir.) (1998). Enciclopédia da música ligeira Portuguesa. Lisboa: Círculo de Leitores.

  • BERNSTEIN, L. (s./d.). Concertos para jovens. Mem Martins: Publicações Europa-América.

  • BRITO, M. de C. e L. CYMBRON (1992). História da música portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta.

  • BUCHNER, A. (1987). Encyclopédie des instruments de musique. Paris: Grund Books.

  • CASTELO-BRANCO, S. E. (coord.). Enciclopédia da música portuguesa do século XX. Lisboa: Publicações D. Quixote. (No prelo)

  • DIAS, M. (1986). Instrumentos musicais de Moçambique. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical.

  • GIACOMETTI, M. (1981). Cancioneiro popular português. Lisboa: Círculo de Leitores.

  • GILBERT, J. (1997). European festivals: Songs, dances and customs from around Europe. Oxford: University Press.

  • GRAÇA, F. L. (1977). A canção popular portuguesa. Mem Martins: Publicações Europa-América.

  • HENRIQUES, L. (1988). Instrumentos musicais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

  • KENNEDY, M. (1994). Dicionário Oxford de música. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

  • P. (1993). Tratado dos objectos musicais. Ensaio transdisciplinar. Brasilia: Editora Universidade de Brasília.

  • SHAFER, R. M. (1976). Creative music education: Handbook for the modern music teacher. New York: Schrmer.

  • ULRICH, M. (1992). Atlas de música. Madrid: Alianza Editorial (2 vols.).

  • VANDERVORST, M. (1997). Lutherie sauvage. Instruments de musique à inventer. Paris: Editions Alternatives.



Expressão Dramática/Teatro

  • BEJA, F., J. M. TOPA, M., C. MADUREIRA. (1993). Drama, Pois!. Porto: Porto Editora.

  • BEST, D. (1992). The rationality of feeling. London: The Falmer Press.

  • GÓMEZ, J. A. C., J. MARTINS e M. F. VIETES (2000). Animação teatral, teoria e prática. Porto: Campo das Letras.

  • GOOCH, S. (1998). Eu escrevo peças de Teatro. Lisboa: Ed. Pergaminho.

  • LANDIER, J.-C., G. BARRET (1994). Expressão dramática e teatro. Porto: Edições ASA.

  • NEELANDS, J. (1984). Making sense of drama, a guide to classroom practice. Oxford: Heinemann Educational Books.

  • NOVELLY, M. C. (1994). Jogos teatrais. São Paulo: Papirus Editora.

  • RYNGAERT, J.-P. (1981). O jogo dramático no meio escolar. Coimbra: Centelha.

  • WIERTSEMA, H. (1993). 100 jogos de movimento. Porto: Edições ASA.

  • WOODCRAFT FOLK (The) (1998). Jogos de cooperação. Lisboa: Associação para a Promoção Cultural da Criança.



Dança

  • BRINSON, P. (1991). Dance as education – Towards a national dance culture. London: The Palmer Press.

  • BRUCE, V. (1988). Movement & Dance in the Primary School. Open University Press.

  • CARROLL, J. e P. Lofthouse (1969). Creative dance for boys. London: Macdonald and Evans Ltd.

  • CHAPAVEYRE, Y. de R. (1987). Notre enfant et la danse. Chiron.

  • GOUGH, M. (1993). In Touch with Dance. Lancaster, UK: Whitehorn Books.

  • GOUGH, M. (1999). Knowing dance – A guide for creative teaching. London: Dance Books, Cecil Court.

  • HASELBACH, B. (1978). Dance education – Basic principles and models for Nursery and Primary School. London: Schott and Co. Ltd.

  • JOYCE, M. (1980). First steps in teaching creative dance to children. California, USA: Mayfield Publishing Co.

  • LABAN, R. (1988). Modern educational dance. Plymouth: Northcote House Publishers.

  • SLATER, W. (1990). Teaching modern educational dance – Creative Development in Primary School. Plymouth:Northcote House.

  • VÁRIOS (1989). The arts in schools – Principles, practice and provision. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.



Educação Tecnológica

  • BAPTISTA, J. (1997). Filosofia da Educação Tecnológica. Lisboa: Universidade Aberta.

  • CROSS, A e R. McCormick (eds.) (1986). Technology in schools. Milton Keynes: Open University Press.

  • DEFORGE, Y. (1993). De l’éducation technologique à la culture technique. Paris: ESF.

  • FONT, J. (1996). La enseñanza de tecnologia en la ESO. Barcelona: Eumo Octaedro.

  • LAYTON, D. (1993). Technology challenge to science education. London: Open University Press.

  • LAYTON, D. (1988). Innovations dans l´enseignement des sciences et de la technologie, vols. I e II. Paris: UNESCO.

  • LEBEAUME, J. (2000). L’éducation technologique. Histoire et méthode. Paris: ESF.

  • KIMBELL, R. et al. (1996). Understanding practice in design and technology. London: Open University Press.

  • NOGUEIRA, J. (1997). Didáctica de Educação Tecnológica. Lisboa: Universidade Aberta.

  • PORFÍRIO, M. (1992). Metodologia do projecto tecnológico. Lisboa: Universidade Aberta.

  • TECHNOLOGY FOR ALL AMERICANS PROJECT (1996).Technology for all americans: A rationale and structure for the study of technology, Reston, Virginia: International Technology Education Association.


Educação Física


  • DIRECÇÃO-GERAL DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO (1991). Programa de Educação Física, Ensino Básico, 3.º ciclo – vol. II. Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • DIRECÇÃO-GERAL DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO (1992). A Educação Física no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.

  • DIRECÇÃO-GERAL DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO (1992). Videograma de apoio ao Programa. A Educação Física no 1.º ciclo do Ensino Básico. Lisboa: Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário.