Texto
Texto, uma editora do grupo LeYa leYa

Escola e Educação Sexual

Comecemos por enquadrar a sexualidade. A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade global, do auto-conceito, da auto-estima e do bem-estar físico e emocional de qualquer ser humano. É também uma componente essencial do relacionamento com os outros, nomeadamente no campo amoroso.

A sexualidade pode também estar associada a acontecimentos com uma carga negativa: gravidez não desejada, transmissão de doenças sexuais, episódios de violência e abuso.

A faceta mais marcante da sexualidade, no contexto escolar, é o facto de ser uma das características humanas mais determinadas e moldadas pelo processo de socialização. O que cada um de nós é, fantasia, deseja ou põe em prática a nível sexual é o resultado de uma processo de interacção e aprendizagem contínuo, realizado num contexto formal (a escola ou a religião, por exemplo) ou informal (os meios de comunicação social, são o exemplo por excelência).

Uma vez que todas as sociedades procuram, formal ou informalmente, transmitir valores fundamentais e normas de conduta no que à sexualidade toca, a Escola tem um papel a desempenhar neste âmbito, enquanto espaço privilegiado de socialização para as crianças e os jovens.

Voluntária ou involuntariamente, a Escola é um lugar onde se constroem saberes e que suscita vivências ao nível afectivo-sexual (“faça as contas” à sua vida sentimental e veja se não é verdade que conheceu a maior parte dos(as) seus (uas) namorados(as)… na Escola) e que não se pode furtar a uma abordagem:
  • formal;
  • estruturada;
  • intencional;
  • adequada;
de um conjunto de questões relacionada com a sexualidade humana, a qual é comummente designada Educação Sexual em contexto escolar.

Assim, cabe à Escola esforçar-se para:

- formar agentes educativos (professores, auxiliares de acção educativa, psicólogos,…) que ajam de forma adequada e coerente face às dúvidas que lhes são colocadas;

- abordar de forma pedagógica os temas da sexualidade humana, privilegiando o espaço turma;

- apoiar as famílias na Educação Sexual de crianças e jovens, envolvendo-as no processo de ensino/aprendizagem e/ou em actividades específicas;

- estabelecer mecanismos de apoio individualizado e específico às crianças e jovens que dele necessitem.


Para terminar, a Escola não deve deixar de lado a estratégia de formação pelos pares, recorrendo a líderes de pares que, graças à sua capacidade de influenciar os outros jovens na sua forma de pensar e agir, podem contribuir de forma significativa para a Educação Sexual, nomeadamente no que diz respeito à prevenção de comportamentos de risco. Na programas de educação pelos pares que são bem sucedidos pesam-se os seguintes aspectos:

- os jovens tendem a imitar amigos/colegas que tomam como modelo;

- é frequente que os jovens ouçam o que esses colegas carismáticos (líderes) lhes dizem;

- estes líderes de pares podem influenciar o comportamento dos restantes jovens de forma positiva através do seu protagonismo e modo de agir;

- estes líderes de pares podem encorajar e apoiar os restantes, quer dentro quer fora da Escola;

- estes líderes podem funcionar como auxiliares do professor em actividades na sala de aula, ajudando colegas que trabalhem, por exemplo, em pequenos grupos.


É, porém, necessário frisar que em circunstância alguma deverão estes jovens assumir papéis que cabem a profissionais e técnicos adultos.