Texto
Texto, uma editora do grupo LeYa leYa

Estudar & Aprender: Põe a memória a funcionar

Memorizar é organizar
Provavelmente, numa época de provas ou exames já ficaste surpreendido(a) com uma falha de memória num tema que pensavas que sabias "mesmo-mesmo-mesmo" (como uma fórmula de Matemática mais complexa) mas que, afinal, não conseguiste recordar. Frequentemente este problema relaciona-se com a motivação; quando falta este “ingrediente”, essencial para o estudo, a aprendizagem é menor e o esquecimento maior.

Existem informações que é necessário memorizar, como as regras de gramática, expressões técnicas, fórmulas de Física, Química ou Matemática, verbos de línguas estrangeiras… e para conseguir memorizar essas informações existem algumas técnicas. Para algumas pessoas resulta ouvirem gravações do que necessitam de memorizar, enquanto para outras resulta repetir em voz alta os conteúdos; outros fazem rimas e outros inventam siglas com os principais termos a memorizar.

No entanto, estas técnicas de memorização são muito frágeis e resultam por pouco tempo se não existir uma compreensão/interiorização da informação. A memória põe de parte as informações que não considera úteis ou que não compreende. Somente as informações que são bem adquiridas e compreendidas ficam disponíveis para serem utilizadas no futuro.

Tal como antes de estudar é essencial organizar bem o material que vai ser utilizado, para memorizar é essencial organizar os conteúdos a aprender e os que é necessário memorizar. É muito mais fácil aprender e recordar quando a informação faz sentido e está bem estruturada.

Para bem organizar os assuntos é essencial identificar e assimilar a ideia principal em torno da qual se organizam as informações. Retendo o que é mais importante é mais fácil relacionar depois todos os aspectos sobre a matéria que estás a estudar.

Outra nota muito importante consiste em nunca esquecer a ligação de cada uma das partes com o todo e das várias partes entre si. Assim, quando necessitas de dividir um tema em várias partes para o compreender e assimilar melhor, é essencial ter sempre uma perspectiva global de todo o tema em estudo.


Relacionar
As matérias que estudas e aprendes não ficam alojadas em compartimentos separados e fechados. As matérias que se aprendem numa disciplina num determinado período estão relacionadas com outras de outros períodos do mesmo ano, de anos anteriores, da mesma disciplina e de outras também.

O processo de aprendizagem é facilitado se se relacionarem as novas matérias com conhecimentos já aprendidos. Desta forma, articulando e relacionando os conteúdos, a aprendizagem é muito mais eficiente. Se os conhecimentos anteriores tiverem sido bem estudados e compreendidos mais fácil será relacionar as novas aprendizagem e evoluir na aprendizagem. Quando mais sólidas forem os primeiros conhecimentos - as bases da matéria - melhor será a aprendizagem de novos temas.


Põe-te à prova
Antes dos momentos de avaliação e mesmo tendo estudado aprofundadamente os temas deves põe-te à prova, fazendo uma auto-avaliação dos teus conhecimentos. Ao ter uma consciência do nível de competência a aprendizagem é mais rápida e profunda. Assim, coloca questões sobre o que estudaste, volta a fazer os exercícios mais complicados e outros diferentes. Podes até pedir a um colega, a um irmão ou irmã mais velho(a) ou aos teus pais que te façam perguntas sobre a matéria!


A culpa não é do queijo
Se há informações que se revelam inúteis para o futuro e que acabam por esquecer facilmente, há outras muito importantes que acabamos por esquecer, mesmo não querendo. Se o tempo pode ser um dos factores que levam ao esquecimento, não será o único.

As interferências provocadas por outras actividades podem contribuir para o esquecimento. Por exemplo, o que se aprende mais recentemente (como um novo número de telefone) pode ser mais facilmente recordável que uma informação antiga (depois de aprendido o novo número é difícil recordar o antigo). Mas também sucede ser difícil aprender um novo número de telefone, devido ao hábito de utilizar o anterior. Assim, informações bem consolidadas na memória, podem interferir quando se tentam aprender outras novas.

Os gostos, os interesses e os desejos de cada um, bem como as suas motivações podem também explicar o esquecimento de alguns factos e informações. Temas que emocionem e apelem à sensibilidade de cada um podem ser mais facilmente aprendidos. Se pode ser difícil recordar assuntos desagradáveis, por outro lado, assuntos relacionados com os interesses, actividades e projectos pessoais podem ser aprendidos mais facilmente.
Portanto, não encares o estudo com um universo desligado das tuas motivações e actividades. Tenta perceber todos os dias, com a ajuda dos teus professores, pais e amigos como é que as matérias que estudas se relacionam com o teu presente e futuro!


Bibliografia:
Aprender a Estudar - Um Guia para o Sucesso na Escola, de António Marques Estanqueiro, Texto Editores 2007 (13.º edição).